.

Este blog pertence ao Tradicionalista Sérgio Spier, vulgo Pepecão (nome artístico) para os correligionários da tradição que me conheceram nos anos 70, 80. Posto discussões da Política e do Tradicionalismo vigente além de temas didáticos para pesquisas culturais.


28 de jun de 2010

Novos concursos... velhos problemas

Fonte Blog do Rogério Bastos...

" Pois é Rogério concordo plenamente com a tua observação, pois está sendo uma realidade nos dias de hoje não só nos cocursos de Prendas e Peões mas nas outras modalidades também. Pretensos avaliadores fazem um curso rápido (express) e tornam-se avaliadores credenciados legitimando resultados que ainda não tem domínio. Tenho presenciado um "pouco calado" para ver no que vai dar, pois já falei a quem de direito, mas a linha de raciocinio parece-me inalterada.
Tenho referencia de alguns patrões que me relatam que pessoas tem sentado as mesas de avaliações sem ter histórico conivente com a modalidade a qual irão avaliar. Exemplo: Interprete solista ou musical - o avaliador faz curso de avaliador mas não fez nunhum simples curso de música ou toca algum instrumento. Avaliam Declamação sem nunca ter declamado ou ensinado declamação a alguém. Nas danças também não há distinção. Só que quando sai os resultados fica só o patrão para dar explicações... os responsáveis já se foram...

Presenciei uma situação como esta e o avaliador (formado nestes cursos) enfiou-se dentro da secretaria e não saiu mais enquanto todos já tivessem ido embora. (Queimação de filme antes do tempo).

Relato postado por Rogério Bastos...

"41ª Ciranda Cultural de Prendas. 41 Anos do maior evento cultural do Movimento Tradicionalista Gaúcho. Uma experiencia acumulada por tantos anos. Mesmo com a renovação permanente com responsabilidade por parte do MTG, enfrenta-se muitos problemas, muitos visiveis, mas que parecem negar a existencia e as regiões não tentam resolve-los. Uma falha que começa na montagem de diretorias...até os convites para comissões avaliadoras. Já vi coisas absurdas.

Gente que coloca bombachas sabado pro baile de formatura do curso de fandango e segunda tá montando uma comissao avaliadora pr aum concurso, podendo colocar a perder o trabalho de jovens que se dedicam e as vezes ficam nas mãos de pessoas que em 1 anos não adquiriria a experiencia necessaria pra avaliar. Vão lá...fazem um curso e tchãnnnnnn... tão aptos!!!!!

Não é culpa de quem dá o curso. Quem o ministra, faz com propriedade. Sem saber quem está do outro lado do balcão, credenciam essas pessoas...que vão cheias de autoridade par aos concursos. Já vi tantas e tantas vezes isso acontecer... Não é mais novidade. Sem nenhuma humildade chegam e assumem o evento. Talvés se dividissem, o trabalho diminuiriam as possibilidades de erro. Mas não. Lamentável.

Já vi isso tantas vezes que não mais me surpreendo. Por ultimo vi um casal começar no meio tradicionlista há pouco tempo, pouco mesmo, fizeram curso e, de posse do certificado, são avaliadores credenciados. Mais...ganharam cargos regionais. Mais... são cotados para ocupar melhores e mais generosos cargos. E assim vamos... "

21 de jun de 2010

PROFESSORES DE DANÇA RECEBEM HOMENAGEM

Os professores de dança, Jair e Vânia Machado, receberam o título Mérito Profissional, na categoria Danças, do Rotary Clube de Novo Hamburgo. A premiação reconhece os profissionais com uma década ou mais de experiência, que tenham obtido reconhecimento pela seriedade, respeitabilidade e ética no desenvolvimento de suas atividades. A cerimônia ocorreu no último dia 27, no Salão de Convenções da Associação Comercial e Industrial do município.

Fonte: Blog do MTG

Sérgio Spier: "Parabéns para o Jair e Vânia Machado pelo mérito recebido. Em 2002 e 2003, convidamo-os juntamente com Tércio Praxedes, e Indio Garacy, para realizarmos os primeiros cursos para instrutores de danças de Salão realizado, onde tivemos 128 formandos num curso extensivo. O Objetivo naquela ocasião ( através do nosso departamento artísitico) era formar Instrutores que adequassem a filosofia tradicionalista e uma retenção para os maxixeiros equivocados que ameaçavam sob uma ótica de pseudo-bailarismo desconfigurar as danças de salão, e deu certo. Hoje quase todos os instrutores de dança de salão de credibilidade que ainda lecionam, passaram pelo crivo do Jair. Colaboraram para este feito as seguintes entidades: Porto Alegre - Coxilha Aberta, Maragatos, Descendência Farrapa, Guaiba - República Riograndense, Viamão - Setembrina dos Farrapos, Alvorada - Bento Gonçalves e Chilena de Prata, organizado pela 1ª Rt, e teve três estágios de evolução até a certificação, pois acreditávamos na época que não é somente um curso - palestra que forma um instrutor ou avalador, é necessário seriedade, respeitabilidade, ética e experiência, e isso o Jair e Vania tem de sobra. Parabéns".

2ª CAVALGADA CONTRA O CRACK EM ALVORADA

Mais uma vez Alvorada celebra mais uma cavalgada alertando a comunidade sobre os efeitos devastadores desta droga que arregimenta tantos dependentes:

Preocupados e baseado nisso, convidamos todos os cidadãos e cida-dãs desta cidade para participar e apoiar a 2ª Cavalgada contra o Crack e do 1º Manifesto Nacional em Defesa da Vida, que será realizada neste sábado, dia 27 de junho em nossa cidade, com a seguinte programação: das 6 às 7h30min – café da manhã no galpão do Piquete Parceiros da Tradição (será de cortesia para quem estiver a cavalo); às 8h inicia a cavalgada com saída do Piquete Parceiros da Tradição, passando pelo CTG Tradição, CTG Sentinelas do Pago, CTG Amanhecer na Querência, CTG Amaranto Pereira, CTG Chilena de Prata, passando pelo Banrisul, Brigada Militar, CTG Campeiros do Sul e CTG Bento Gonçalves da Silva, onde será servi-do um almoço bem campeiro (que será de cortesia para quem estiver a ca-valo). Durante o almoço teremos a encenação de uma peça teatral, feita pe-los funcionários da empresa de ônibus Viamonense, que vai enfocar o crack e suas conseqüências. À tarde, festa campeira.

Este evento é uma realização do MTG (Movimento Tradicionalista Gaúcho), da ORCAV (Ordem dos Cavaleiros do Rio Grande), 1ª Região Tradicionalista, Subcocordenadoria, Prefeitura Municipal, Câmara de Vereadores, 24º BTG (Brigada Militar), Polícia Civil – Denarc (Departamento de Combate ao Narcotráfico), Sindipol (Sindicato dos Policiais Civis do RS), Banrisul, Acial (Associação Comercial e Industrial de Alvorada) e Departamento Campeiro de Alvorada.

Apóiam esta iniciativa a Automasafety, JC Lopes, Vias Contabilida-de, Piquete Parceiros da Tradição, Sítio Foco Gaúcho, Adão Campeiro Produções, Propaganda e Marketing e toda a sociedade alvoradense.

Informações com o Coordenador da Campeira Vladimir Kuze (Ma-no) pelo fone 51.9933.3095; com o Subcoordenador Spanhol pelo fone 51.9911.4134; com Comandante do 24 BPM, Cel Estivalet pelo fone 51.8501.6624; com o Presidente do MTG Oscar Gress pelo fone 51.3223.5194; com o Adão Campeiro pelos fones 51.8481.2916 ou 51.9677.8212. Chasque remetido por Adão Campeiro e Spanhol (itinerário).

17 de jun de 2010

Considerações de Paixão Cortês sobre as Cavalgadas

Bueno gauchada amiga.....( jardão das minhas apresentações )

Vale a pena ouvir (ou ler ) assuntos ditados pelo nosso sábio Paixão Cortês....

Paixão não vê "razão" nas cavalgadas

Entrevista de Paixão Côrtez, dia 26/02/10, em Zero Hora:


Zero Hora – Qual é a sua visão a respeito de eventos como a Cavalgada do Mar?

Paixão Côrtes – As cavalgadas podem chamar a atenção à ligação entre o gaúcho e o cavalo no movimento tradicionalista. Assim como existem apresentações de danças, podem ocorrer essas demonstrações de cavaleiros. É salutar, quando bem organizada. Mas bem organizado significa ter objetivos e não simplesmente montar no cavalo sem perspectivas maiores. Passo um bom tempo aqui em Cidreira e não vejo razão de ser nessas cavalgadas. É simplesmente uma caminhada a cavalo. Não há pesquisa ou questionamento sobre nada. Não serve para questionar os problemas do Rio Grande. É um passeio. É comer, beber e dar risada.

Zero Hora – Existe desconhecimento sobre os cavalos por parte dos participantes?

Paixão Côrtes – O gaúcho sempre esteve ligado ao cavalo. Ele podia dormir mal, nos arreios, mas o cavalo precisava ficar em condição excepcional, porque era através do cavalo que o gaúcho podia fazer o seu trabalho. Na cavalgada, há participantes inconscientes da responsabilidade que deveriam ter. Estão percorrendo grandes distância cavalos mal-alimentados e não habituados a isso. Não estou dizendo que não existem pessoas com conhecimento, mas tenho visto aqui que são pessoas sem a mínima noção da sua responsabilidade e da dignidade do animal. Estão fazendo exibição descaracterizante, em vez de exaltar o cavalo e a identidade da terra.

Zero Hora – O trajeto pelo litoral faz sentido?

Paixão Côrtes – O litoral foi a primeira rota dos tropeiros, a partir de 1731. Mas eu falo com os cavaleiros aqui e eles não sabem nada do que estão fazendo, não têm conhecimento nenhum da História. Tinham de conhecer e de fazer o resgate. Uma cavalgada dessas tem de ter algum objetivo além de simplesmente montar. Existe festas e recepções, mas o tradicionalismo não vive de festas. Vive da realidade e do desenvolvimento do Rio Grande. Precisa ter substância. É preciso ter a cultura do saber, não só a do montar.


Fonte: Blog Ro da de Chimarrão

Copio esta frase que achei interessante e estendo aos demais setores estruturantes do tradicionalismo (culturais, artisticos e desportivos):
"Existe festas e recepções, mas o tradicionalismo não vive de festas. Vive da realidade e do desenvolvimento do Rio Grande".

Abraços...

11 de jun de 2010

Três Passos "Terra Sagrada dos Bem-Aventurados Mártires"

Oscar Fernande Gress, foi e é, um dos grandes incentivadores da "Cavalgada dos Beatos Mártires Sul-Riograndenses", elevando e incluindo Três Passos no cenário histórico do Rio Grande aproximando nossa cultura a fé religiosa. (Sérgio Spier)

Governadora sanciona lei que determina Três Passos como Terra Sagrada dos Bem-Aventurados Mártires
--------------------------------------------------------------------------------

A governadora Yeda Crusius sancionou, no dia 08 de julho 2008, a Lei 13.001 de autoria da deputada Zilá Breitenbach (PSDB) que determina o município de Três Passos como "Terra Sagrada dos Bem-Aventurados Mártires do RS Padre Manuel Gómez Gonzáles e Coroinha Adílio Daronch". O PL 130/08, foi aprovado no dia 11 de junho, por unanimidade dos deputados da Assembléia Legislativa.

Conforme Zilá, "o projeto tem por objetivo valorizar o caráter religioso da população do Município de Três Passos e da região, fato que enseja importante fluxo de turismo intimamente relacionado ao desenvolvimento do Alto Uruguai. Mais do que isto, tem por fim prestigiar personagens históricos, portadores de mensagem de fé e esperança, modelos de vida que lutaram e morreram na luta de uma vida justa para todos".

Fica, ainda, acrescentado o Município de Esperança do Sul ao rol dos Municípios que integram o percurso denominado "Caminho dos Mártires", conforme art. 2º da lei estadual nº 12.357, de 1º de novembro de 2005, que passa a ter a seguinte redação:

"Art. 2º - Denomina-se "Caminho dos Mártires", o percurso compreendido entre os Municípios de Nonoai, Rio dos índios, Alpestre, Planalto, Iraí, Vicente Dutra, Caiçara, Palmitinho, Vista Alegre, Frederico Westphalen, Seberi, Ametista do Sul, Rodeio Bonito, Constantina, Novo Tiradentes, Cerro Grande, Liberato Salzano, Engenho Velho, Novo Xingu, São José das Missões, Palmeira das Missões, São Pedro das Missões, Redentora, Coronel Bicaco, Braga, Campo Novo, Santo Augusto, São Valério do Sul, São Martinho, Boa Vista do Buricá, Humaitá, Crissiumal, Miraguaí, Tenente Portela, Derrubadas, Tiradentes do Sul, Taquaruçu do Sul, Esperança do Sul e Três Passos".

Breve histórico dos Mártires

Pe. Manuel Gomez González
Nasceu em 29/05/1877, em São José de Riberteme/Espanha. Foi ordenado padre aos 24/051902. Veio para o Brasil em 1913. Trabalhou dois anos na paróquia de Soledade. Mas, em fins de 1915, foi nomeado pároco de Nossa Senhora da Luz, em Nonoai.
Foi assassinado no dia 21/05/1924, na localidade Feijão Miúdo, perto do município de Três Passos, por um grupo de anticlericais. Foi sepultado no cemitério que seria por ele abençoado em Três Passos. Em 1964, foi transladado para Nonoai onde seus restos mortais se encontram na capela anexa à Igreja Matriz e Santuário N. Sª. da Luz.

Coroinha Adílio Daronch
Nasceu em Dona Francisca/RS, aos 25/10/1908. É filho de Pedro Daronch (nascido em Agordo, Itália, a 05.01.1883 e veio ao Brasil com a família quando tinha 07 anos de idade) e de Judite Segabinazzi. Era o terceiro filho do casal. No ano de 1912, a família transferiu-se para Passo Fundo e, alguns anos depois, para a cidade de Nonoai/RS.
Em maio de 1924, o jovem de 15 anos, que era coroinha, acompanhava o Pe. Manuel num longo itinerário pastoral, a serviço da paróquia de Palmeira das Missões/RS. A caminho de Três Passos, o coroinha Adílio e o Pe. Manuel foram surpreendidos por anticlericais e inimigos da religião. Foram levados para o mato, amarrados em árvores e fuzilados. Era o dia 21/05/1924 e lado do Pe. Manuel foi sepultado em Três Passos. Com o Pe. Manuel foi transladado para Nonoai, onde jaz na capela anexa ao
Santuário.

FÉ E TRADIÇÃO ( por Oscar Fernande Gress)

Reproduzo este artigo interessante aos tradicionalistas:

“Fé e tradição"

Sou um dos fundadores da Cavalgada dos Mártires. O percurso atravessa os municípios de Nonoai, Rio dos Índios, Alpestre, Ametista do Sul, Frederico Westhpalen, Palmitinho, Três Passos, entre outros, somando aproximadamente 240 quilômetros e é percorrido em uma semana. E a razão de minha participação não se deve unicamente ao prazer das cavalgadas, antiga tradição gaúcha. Neste caso, especificamente, é um ato de fé.

A Cavalgada dos Mártires, para quem não a conhece, é uma homenagem aos Beatos Manuel Gómez González e Adílio Daronch, brutalmente assassinados no ano de 1924, na localidade de Feijão Miúdo. A história do padre Manuel e de seu coroinha, Adílio Daronch, é principalmente uma história de doação, de devoção. Um exemplo que não deve ser esquecido, mas sim, rememorado e celebrado.

Criar este evento, hoje promovido em parceria entre prefeituras municipais e três Regiões Tradicionalistas (18ª, 20ª e 28ª), faz-nos refletir sobre uma das principais e mais importantes características do Movimento Tradicionalista Gaúcho: a aceitação das diferenças, a união de povos, raças e crenças sob um só galpão. O lugar onde a fé encontra a tradição. Também é uma forma que encontramos para realizar uma de nossas missões, declaradas no artigo primeiro da Carta de Princípios.

Quando você entra em um Centro de Tradições Gaúchas, ninguém lhe pergunta qual sua profissão, quanto você ganha, qual carro você tem ou que cargo você ocupa. Os CTGs são espaços de preservação da tradição e de celebração dos usos e costumes do nosso povo, assim, basta que você diga que este é seu objetivo e será naturalmente bem recebido pelo grupo. Uma convivência desinteressada, onde todos buscam um mesmo objetivo, como a que existe dentro dos CTGs, é rara nos dias atuais. E chego mesmo a acreditar que é uma receita adequada contra a época consumista e individualista em que vivemos.

Outro remédio, se assim podemos afirmar, é a Ciranda Cultural de Prendas, evento que realizamos no final do mês passado, em Santa Maria. Essa iniciativa do Movimento Tradicionalista Gaúcho é mais uma proposta que traz como objetivo principal a convivência entre os jovens tradicionalistas. A conquista das faixas de 1ª, 2ª e 3ª Prendas é secundária em relação aos ganhos que estes jovens adquirem ao participar do Concurso. Conhecimentos sobre a importância do respeito entre as gerações, a história do Rio Grande do Sul, as responsabilidades de uma prenda, são apenas alguns dos aprendizados.

Nessa quadragésima edição, as prendas do Rio Grande ganharam um belo presente. A edição do documentário “Prendas - 40 anos de concursos”, no qual se resgata o início da participação da mulher no Movimento, com belíssimos e importantes depoimentos das pioneiras Cyra Dutra Ferreira, Lia Santos Mariante, Nora Ferreira, Nilza Lessa, Alda Borghetti, além de depoimentos de prendas de gestões passadas. Um importante registro, que agora será distribuído para entidades tradicionalistas e servirá como material de pesquisa para esta e as próximas gerações. Parabéns a todas as prendas que participaram do evento e saibam que, independente do resultado, o Rio Grande precisa de todas vocês.”

Post: Felipe Basso - Blog MTG



fotos: portal de noticias Ijuhy.com

Abraços...

Sérgio Spier

9 de jun de 2010

Concursos aproximam prendas e peões das artes manuais

A jornalista Mariana Mallmann assina, no jornal Eco da Tradição de junho, uma interessante matéria sobre como os concursos de peões e prendas podem aproximar os seus participantes das artes manuais. Em alguns casos, como os de Graziela e Felipe, pode até virar uma fonte de renda. Confira a reportagem na íntegra.

“Jovens espalhados por todo o Estado desenvolvem peças para consumo próprio e para venda. Graziela Bruxel e Felipe Philippsen servem como exemplo. Eles produzem acessórios para prendas e trabalhos em couro.

Um universo de crianças e jovens passa, anualmente, pelos concursos realizados pelas entidades tradicionalistas de todo o Estado. Destes, centenas seguem para as fases regionais e, outros tantos, para as estaduais. Conforme definido pelo Movimento Tradicionalista Gaúcho (MTG), um dos objetivos da Ciranda Cultural de Prendas e do Entrevero Cultural de Peões é elevar o nível cultural e intelectual dos concorrentes, estimulando a gradativa e natural integração com o meio do tradicionalismo organizado.

Através da Mostra Folclórica e da prova de Trança, prendas e peões, respectivamente, desenvolvem e aprimoram suas habilidades. Graziela Bruxel, de Estrela, e Felipe Philippsen, de Santo Augusto, servem como exemplo. Ambos descobriram talento para as artes manuais ainda na infância, porém, estabeleceram íntima relação após suas gestões. Ele foi Peão Destaque Campeiro do Rio Grande do Sul 2006/2007 e ela, Prenda da 24ª Região Tradicionalista, além de diretora dos departamentos Cultural e Artístico.

Graziela desenvolve acessórios para prendas, como flores e joias. Segundo ela, as confecções iniciaram há quatro anos. “Começamos a confeccionar para consumo, pois não achávamos em nossa região arranjos que fossem acessíveis. Com o tempo, resolvemos aprimorar nosso trabalho e introduzimos outros materiais. A linha de jóias veio junto com os arranjos, porém, com menos força no início”, revela.

Já Felipe desenvolve trabalhos com couro desde os 10 anos. Conforme o jovem, foram as atividades do campo que o apresentaram o tradicionalismo organizado. “Costumo trabalhar com tudo que envolve o couro, tanto para encilha quanto para vestimenta. Faço mais para venda do que para consumo, além de ser algo que faz muito bem para a alma, acalma e nos faz parar no tempo”, descreve.

VENDAS

Os arranjos e joias produzidos por Graziela, juntamente com uma equipe formada por outras três pessoas, já foram enviados para diversas regiões do Estado e também para a Amazônia, São Paulo e Mato Grosso. Para facilitar o acesso e a escolha dos interessados foi criado o sítio www.gana.net.br. De acordo com Graziela, o espaço está em fase de formulação e, em breve, oferecerá aos clientes imagens dos produtos e os contatos para compra. Como a representante da 24ª RT, Felipe utiliza também a Internet.

Ambos destacam a importância que o Movimento Tradicionalista Gaúcho teve em suas vidas. “Sem dúvida as contribuições foram diversas. Antes de concorrer a prenda não sabia me expressar direito, tinha medo das pessoas e vergonha de falar em público. Atualmente, tive que largar os cargos regionais, devido aos compromissos pessoais, mas sigo no meio, trabalhando com danças de salão e tradicionais e acessórios de prendas”, diz. Felipe acrescenta. “Os concursos me fizeram ver com outros olhos a realidade de hoje, a entender o que o MTG luta para manter e a elevar o meu conhecimento. Sou muito grato por tudo e, sempre que preciso, ajudarei sem esforços”, garante o peão de 22 anos.

Fonte: Blog do MTG

ABAIXO O POLITICO CHINELO

Aqui no sul não é Brasília, parabéns ao povo do Paraná.

Manifestação reuniu milhares. E lembrou Diretas Já

"Todo o poder emana do povo e em seu nome deve ser exercido" , afirmou na noite de hoje o presidente da OAB nacional, Ophir Cavalcante, de cima do palanque da Boca Maldita, onde milhares de curitibanos se reuniram para protestar contra os atos de corrupção na Assembleia Legislativa do Paraná. "Mas será que os eleitos para a Assembleia Legislativa estão exercendo esse poder da maneira correta?", perguntou Cavalcante. "A resposta é não", afirmou.
O discurso do presidente da OAB, que organiza o movimento O Paraná que Queremos, uma resposta às denúncias de irregularidades na Assembleia, foi um dos mais aplaudidos da noite. A população, que lotou o trecho da Rua XV entre a Praça Osório e o Palácio Avenida, reagiu a vários discursos com aplausos e gritos de ordem.
Famílias reunidas, trabalhadores, donas de casa, empresários, todos gritavam e pediam ética. "O povo unido jamais será vencido" e "Fora Justus" estiveram entre as palavras mais ouvidas.
Os manifestantes cantaram unidos também o Hino Nacional, executado pela cantora Mel Maia. Para o cientista político Ricardo Oliveira, da UFPR, a manifestação lembrou os melhores momentos da vida cívica nacional, como as Diretas Já, o pedido de impeachment de Collor e as manifestaçãoes contra a venda da Copel.
"Foi o mesmo clima. E todos esses movimentos foram vitoriosos. Uma demonstração cívica impressionante", afirmou Oliveira.
Segundo ele, a partir daqui fica inviável para Justus e Curi permanecerem na Mesa Diretora da Assembleia.

SÓ VOTE EM CANDIDATO FICHA LIMPA JÁ.

8 de jun de 2010

Rodeio de Osório

Recebi muitas reclamações sobre a qualidade das Avaliações das Danças Tradicionais no Rodeio de Osório.

Abraços.

QUEM É AVALIADOR DE RODEIO?

É pertinente algumas reflexões:

No momento da avaliação temos três personagens:
- O dançarino ( representa a arte viva). Todo o dançarino poderá ser um bom coreográfo e um bom avaliador.
- O coreógrafo (representa a arte mentalizada). Todo o coreógrafo já foi um bom dançarino e poderá ser um bom avaliador.
- O avaliador (representa a arte mensurada).Todo o avaliador não precisa necessariamente ter sido um bom dançarino, nem tão pouco um bom coreógrafo, mas ter a boa técnica da percepção.

Bom avaliador é aquele que ouve muito, fala o necessário, mas ensina mais.

Quando se dança, mostra-se o poder do corpo em relação a música;
Quando se coreografa, mostra-se o poder da criação em relação ao corpo e a música;
Quando se avalia, mostra-se o poder da caneta em relacão a criacão, ao corpo e a musica.

AVALIADOR:

O Avaliador (antigo julgador) é um misto de: Técnica, sentimento, idoneidade, vida pregressa (credibilidade instaurada), reconhecimento no meio, aceitação, referência.
TÉCNICA - domínio do absoluto, do coreográfico, do interpretativo e harmonico;
SENTIMENTO - percepção que o raciocínio lógico entende entre Tudo, Mais, Mais ou Menos, Menos e Nada, entende-se como o arbítrio da apreciação (cheiro, cores, vibração, emoção, beleza, naturalidade, espontaneidade, desprendimento, movimento, autenticidade).
IDONEIDADE - é a intenção na avaliação (isenção) - quanto o trabalho como avaliador vai contribuir para o crescimento didático e comportamental do grupo avaliado (cuidados redobrados nas mirins).
VIDA PREGRESSA - Quem e porque me convidaram. Pois tenho a minha história e tenho que preserva-la. Senão não me convidariam.
RECONHECIMENTO NO MEIO - Graças a empatia, simpatia, conhecimentos agregadores, multiplicadores, didáticos e técnicos.
ACEITAÇÃO - geralmente está relacionada a credibilidade e reconhecimento do avaliador.
REFERÊNCIA - Quais minhas ações realizadas, quais meus empenhos foram reconhecidos. De que linhagem cultural o avaliador surgiu, influenciado positivamente por quem, quanto quantifico minha humildade e como qualifico minha capacidade de aprender com os outros.

E para finalizar, se o que o avaliador está cobrando é condizente com todas as caracteristicas acima. Se ele tiver todas, está cobrando pouco; mas se faltar uma delas, já está cobrando demais.

Abraços.

Projeto Memoria 1RT



Venha participar: você é a nossa história

Com o objetivo de resgatar a história da 1ª Região Tradicionalista, a coordenadoria está lançando o Projeto Memória que catalogará o histórico das entidades e da própria coordenadoria através da coleta destas informações junto à patronagens e pessoas que saiba algo sobre a história das entidades ou da região.

Uma equipe fará entrevistas e coletará as informações das entidades e outra fará a coleta de informações de ex-coordenadores e ex- prendas e ex-peões da região.

Qualquer pessoa que conheça alguma coisa ou tenha consigo material histórico da região, manuscritos, fotos recortes de jornais e revistas, ou mesmo que somente em sua memória, pode contribuir com seu relato para com este projeto.

O formulário para entrevistas pode ser baixado, preenchido e entregue no Encontro de Patrões dia 12 de junho no CTG Capela Grande, ou enviado via email para o endereço projetomemoria@1rtrs.com.br.

Será editado um livro com toda a história da Região e de suas entidades, o qual deverá estar sendo concluído em Março de 2011.

Colaboração Angélica Fraga

Tem tanta gente enganando muita gente...


Charge do blog de um companheiro

Som Campeiro
Os Mirins
Composição: Os mirins, Os serranos

"Tem tanta gente enganando nossa gente
Se infiltrando pelos nossos festivais
Na alegação de um falso modernismo,
E com o apoio de pseudo-intelectuais"

Um grande problema dentro do tradicionalismo são os pseudos-intelectuais, ou como disse (escreveu) Paixão Cortês numa brilhante obra, designou como ...tradicionalistas de um livro só...
Traduzo assim, pois estes ditam falsos conhecimentos ou regras com objetivo de atrair para si simpatias, reconhecimentos ou ate privilegios, ocultando sua verdadeira ignorância.
Alguns cargos proporcionam este fenömeno a pessoas menos preparadas para liderarem equipes de trabalhos.
Mas nas Curvas Retilineas e Uniformes, os humildes sempre prevalencem, pois estao desprovidos de interesses e se perpetuam por mais tempo.(Sergio Spier)

"Quero dizer pra essa indiada que chegue
Desde que seja com a gaita e um violão
Cantando coisas que falem das nossas coisas
para fazermos uma grande integração

Então unidos num grito forte iremos
Dizer ao mundo o que representa pra nós
Um canto livre como livre é a nossa gente
E que ninguém irá calar a nossa voz."

4 de jun de 2010

Referente ao Maxixe

No site abaixo encontrei posts do assunto por mim divulgado em 06/04/2010

www.alabamawomen.org - nahoradoamargo.blogspot.com

"Bueno, estava lendo uma postagem do Sérgio Spier no que se refere os motivos no qual o Maxixe ganhou espaço entrando nos Centro de Tradições Gaúchas.
Lógicamente depois vetado pelo Movimento Tradicionalista Gaúcho.

Concordo plenamente com você Sérgio, infelizmente alguns CTG's brincam de fazer cultura, elegem patrões de baixo nível cultural que administram o Centro como se fosse uma empresa.
De nada adianta salão cheio e cultura "ZERO"!
Talvez fosse preciso mais que um simples CFor para que patrões possam tomar suas respectivas posses. Eu também participei de CFor, uma palestrinha curta e extremamente objetiva não basta para que estas pessoas sejam "devidamente educadas" e avaliadas.
Ai vai uma sujestão...
Que tal, quando as entidades apontarem nomes de novos patrões, o MTG interferir aplicando uma prova escrita e uma dissertação (ou crítica) abrangendo a palavra "cultura".
Com certeza esse sistema proporcionaria melhores resultados em curto prazo dentro dos CTG's. Teriamos pessoas verdadeiramente capacitadas "no carro chefe" de nossas entidades.

Abraço.
Fernando Massolini

Valeu a sugestão Fernando.

3 de jun de 2010

REGIONAL DO ENART 1ª RT

DATA DA REGIONAL: 17 e 18 DE JULHO
LOCAL: GIGANTINHO

ULTIMO DIA PARA INSCRIÇÕES: DIA 1 DE JULHO

SORTEIO DA ORDEM DE APRESENTAÇÕES:
DATA: 14 de julho 20 hs
LOCAL: 35 CTG

APRESENTAÇÃO DO SAT
DATA: 4 DE JULHO AS 14 HORAS
NO ENCONTRO EXTRAORDINÁRIO DE PATRÕES
LOCAL: CTG ALDEIA DOS ANJOS .

fonte: site 1ª RT